29 novembro 2019

Startup cria embalagem “inteligente” para rastreabilidade

Material com “DNA” permite inibir fraudes e favorecer sustentabilidade no recolhimento de envases de defensivos

COMPARTILHE:

embalagem inteligente 2

0

A startup Ciclopack desenvolveu um material capaz de ser uma espécie de DNA de embalagens para combater fraudes em produtos e favorecer a sustentabilidade do agronegócio.

Leonardo Roriz, fundador da Ciclopack, ressalta que solução favorece economia circular

A inovação contribui para a segurança de toda a cadeia, pois as embalagens inteligentes possuem identificação única em nível pericial. Assim, elas criam barreiras à falsificação e à comercialização de produtos roubados, bem como fazer a gestão data driven das embalagens de defensivos, por exemplo.

“Desenvolvemos soluções para a indústria combater a crescente do mercado ilegal, que hoje se encontra num oceano azul no Brasil. Esse sistema é uma forma eficaz de reabsorver o mercado ilícito que atua em seu setor. Além disso, é uma ferramenta que possibilita a empresa liderar o processo de economia circular”, afirma Leonardo Roriz, fundador da Ciclopack.

DNA

A Ciclopack une três tecnologias: traçadores, espectrofotômetros portáteis e software. No caso dos traçadores, partículas se misturam com as moléculas de plástico e formam o “DNA individual”, tornando cada produto único.

Por meio dos espectrofotômetros, pode-se identificar o traçador e permitir averiguação da originalidade do produto. Já com o software, a marca acompanha todo o processo de rastreamento.

Com a solução, as empresas podem saber quanto de suas embalagens estão retornando para a reciclagem e, também, identificar e separar os tipos de plásticos, tornando a etapa da separação mais eficiente.

“O sistema permite que as marcas se enquadrem no cumprimento da lei de resíduos sólidos por meio da identificação e quantificação das embalagens quando recicladas”, conta Roriz.

Defensivos 

O Brasil é recordista mundial no recolhimento de embalagens. Segundo a indústria, mais de 95% do total é recolhido, tornando o país líder e referência mundial no tema.

Desde 2000, a prática é exigida por lei federal, conhecida como LR (Logística Reversa), que estabelece responsabilidade compartilhada entre produtores, indústria e distribuidores.

Ilegalidade

Os dados da ilegalidade são alarmantes. Entre fraudes, falsificação e contrabando de produtos e embalagens em geral, a indústria brasileira perdeu 200 bilhões em 2018, 16% a mais do que em 2016.

Segundo a Câmara de Comercio Internacional, o mundo irá perder US$ 4,2 trilhões até 2022 para o mercado ilegal. Só no setor agroquímico brasileiro, esse valor chega a R$ 7,8 bilhões anuais.

Números que impactam diretamente a economia e, consequentemente, o mercado de trabalho. Estima-se que há mais de 1 milhão de desempregados em decorrência do mercado de ilícitos.

AUTOR:

Daniel Azevedo Duarte

Daniel Azevedo Duarte é editor-chefe do AgEvolution do Canal Rural, Mestre em Jornalismo (UCM/USP), MBA em Agro (FGV) e entusiasta da inovação no agro. Também é professor em Comunicação no Agro na PUC de Campinas e correspondente de publicações internacionais sobre o setor.

Leia Mais:

Monitoramento por satélite barateia crédito rural

TerraMagna usa IA e Big Data para mitigar riscos de financiamentos com acompanhamento das lavouras em tempo real

SAIBA MAIS

Deputado quer anular Comissão de Agricultura de Precisão e Digital

Motivo seria a ausência de representantes da “agricultura familiar” no órgão

SAIBA MAIS

IBM Food Trust avança como blockchain global para alimentos

Tecnologia reduz desperdício de comida e riscos da produção agrícola por meio de rastreabilidade “imutável”

SAIBA MAIS

AgroUp propõe inovações para soja e milho em Dourados

Design Sprint reuniu 45 participantes que trabalharam desafios como classificação, clima e gestão

SAIBA MAIS