08 janeiro 2019

Afinal, o que é um investimento anjo?

Além de dar apoio financeiro, o investidor anjo precisa atuar como um mentor para quem está começando. Veja como funciona essa engrenagem

COMPARTILHE:

0

Uma dos pilares mais importantes para o crescimento de uma startup pode ser o investimento anjo. Mas, afinal, o que é esse modelo de negócio tão falado e como ele funciona? É isso que vamos mostrar agora!

O investimento anjo é efetuado por pessoas físicas com seu capital próprio em empresas nascentes com alto potencial de crescimento, as chamadas startups. É efetuado por profissionais, empresários, executivos e profissionais liberais experientes, que agregam valor para o empreendedor com seus conhecimentos, experiência e rede de relacionamento, além dos recursos financeiros.

Esse investidor tem, normalmente, uma participação minoritária no negócio, não tem posição executiva na empresa, mas apoia o empreendedor atuando como um mentor e conselheiro.

O investidor anjo é normalmente um ex-empresário, empreendedor ou um executivo que já trilhou uma carreira de sucesso, com recursos suficientes para locar uma parte, normalmente entre 5% e 10% de seu patrimônio, para investir em novas empresas.

É importante observar que, diferentemente do que muitos imaginam, o investidor anjo normalmente não é detentor de grandes fortunas, pois esse tipo de negócio movimentaria um valor muito pequeno para tais empresários.

Também não é uma atividade filantrópica e sim um investimento em negócios com alto potencial de retorno que, consequentemente, terão impacto positivo na sociedade, com geração de oportunidades e renda.

O termo anjo é utilizado por não ser um investidor exclusivamente financeiro. Ele também apoia o empreendedor, aplicando seus conhecimentos, experiência e rede de relacionamento para alavancar as chances de sucesso.

O investimento anjo em uma empresa é feito, normalmente, por um grupo de dois a cinco investidores para diluição de riscos e compartilhamento da dedicação, sendo definido um ou dois como investidores líderes para cada negócio.

O investimento total por empresa é de, em média, R$ 350 mil, podendo chegar a R$ 1 milhão.

Anjos do Brasil

Conversamos com Maria Rita Spina Bueno, diretora-executiva da Anjos do Brasil, uma organização sem fins lucrativos com objetivo de fomentar o crescimento do investimento anjo no empreendedorismo brasileiro.

“Muita gente ainda não entende o que é e como funciona o investimento anjo. As startups precisam dessa iniciativa, que chamamos de dinheiro inteligente, que vem de um investidor que já tem experiência e quer ajudar com a rede de relacionamento, conhecimento de estratégias ou financeiro”, disse.

Segundo Rita, o investidor anjo precisa ter em mente que todo investimento envolve risco. “Em cerca de dez startups investidas, ele acaba perdendo o investimento em cinco. Duas ou três dão resultados medianos e uma ou duas acabam pagando todo o portfólio”, contou.

O que sugerimos aos investidores anjo é procurar outras redes de investidores, para adquirir conhecimentos específicos que vão ajudá-lo a entender melhor o mundo das startups.

Uma das linhas de trabalho da Anjos do Brasil é exatamente unir os interesses de investidores e startups, promovendo um encontro de quem precisa de ajuda e quem quer investir.

Leia Mais:

WeWork lança aceleradora para food techs em Nova York

Startups do mundo inteiro podem participar do processo de seleção

SAIBA MAIS

Solinftec aparece em ranking de maiores agtechs do mundo

Lista foi elaborada pela aceleradora Thrive, do fundo SVG Ventures

SAIBA MAIS

Veja o que esperar da agricultura 4.0 para um futuro bem próximo

Durante a 20º edição da Expodireto Cotrijal foram debatidos os impactos da digitalização no campo

SAIBA MAIS

Produtor paga quase 70% menos imposto de renda com ajuda de robô

Tecnologia desenvolvida por startup organiza notas fiscais, oferece parciais do ano e ajuda agricultor a evitar tributações maiores

SAIBA MAIS